segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Meu, Teu, Nosso ...

As borboletas que colorem meu jardim de primavera, surgiram mais cedo, colorindo o sorriso que te trouxe novamente para mim. Nem mesmo a mais perfeita melodia e nem mesmo todas as respostas para as minhas perguntas, conseguem chegar a tamanha perfeição que és para mim.
Sinto o cheiro do teu corpo e o pulsar de seu coração a cada passo dado por ti em minha direção, vejo seus olhos que espelham o meu sorriso de alegria e meus braços abertos para te acolher.
Me abrace como se fosse o último ato que um ser amante possa fazer em sua curta vida, me ame como jamais um dia alguém irá me amar.
Mostre o caminho de pétalas espalhadas sobre esse oceano de angústia, para que nosso amor flutue sobre nós mesmos e possa ser esplendor diante tanta inveja e mágoa que nos cerca. Me guie em seu barco até a tua morada, para que possa me fazer feliz ao seu lado. Me convide para entrar em sua vida, prometo jamais te dar trabalho e deixar de pagar teu aluguel, aluguel este que tenho o maior prazer do mundo em pagar, meu amor, teu amor, nosso amor .

Autor : Cristian Schröder

4 comentários:

  1. Esse final me lembrou Beethoven escrevendo para a amada imortal dele. Muito bom o texto, Cris.

    ResponderExcluir
  2. Dayne Muiiito Brigado :D

    Vivi, e você acredita que eu resolvi escrever depois que terminei de ler um texto biográfico dele ? Brigado pelo elogio :D

    ResponderExcluir
  3. Leve, forte; apaixonante e sutil. Suas palavras são tão bem escolhidas, cris... Ao ler, dá pra sentir uma calma misturada com felicidade, amor, paixão exacerbada... que inspiração!
    Parabens, espero que vc não perca o dom das palavras!
    saudades...

    ResponderExcluir