sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Dois 1000 e Doze

Não quero mais promessas, não quero mais dívidas .
Não quero mais cobranças e nem mais noites mal dormidas .
Quero dias ensolarados para minha rede na varanda esticar
Para que nela eu possa ver o meu futuro perto chegar

Não mais lágrimas e não mais chuva
Não mais tristeza e nunca apenas uma
De riso aberto recebo o ano que está a nascer
Onde nele, coisas muito boas irão de acontecer

Não prometo dar o melhor de mim quando pular as sete ondas
Apenas cumpro com o que prometo com a razão, seja lá por onde ela anda
Quero amor, quero beijo, quero Carnaval
Quero sol para pendurar minha roupa no varal

Não quero raiva nem aborrecimento
Quero que 2012 não seja apenas mais um ano,
Quero que ele seja um acontecimento !

Feliz 2012 à todos
 
Autor : Cristian Schröder

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Não Mais Culpado


Pode soar tosco ou até mesmo imprevisível, mas estou com saudades de você . Saudades de quando você se passava para mim, como um simples e qualquer desconhecido aos olhos meus . Saudades de quando nunca precisei de seu perfume para sentir seguro . Sinto saudades da segurança e da vida que perdi, ao me juntar ao seu altar, que de joelhos permaneço venerando algo que jamais me pertenceu .
Como em uma igreja, todos os seus crentes, ficam em silêncio, implorando sua atenção e esperando a vez para serem tocados no peito por você .
Um dia, já soube andar por cima dos paralelepípedos, sem jamais tropeçar e cair. Ao ver os seus não mais meus olhos, desaprendi à andar e acima de tudo, a amar .
Regredi em vida, fiz o caminho inverso à sua veia avessa de tantos “ Te amos “ em simples e amargo vão . Desacreditei no possível óbvio, criando esperança na espera de um nem mais cabível jamais.
Engraçado como os pastos crescem, os lagos secam e você com o vento se dissipou em direção desconhecida à mim . Não mais vejo seu rosto, não mais sinto teu cheiro, porém, ao longe, ouço seu riso de mim gargalhar enquanto de meu rosto uma lágrima se escorre, queimando minha pele a ponto de evaporar antes mesmo minha saliva tocar .
Depois de tempestades passarem por meu teto deslocado de estrelas, depois de ventos levarem as portas do meu corpo, depois do sol ressecar minhas armaduras, te espero aqui e em pé, como quem não culpa aquele que um dia mereceu ser culpado, como aquele que ama ser usado, como aquele que um dia já chorou por ter sido usado .
 
Autor : Cristian Schroder

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Não Saio Não

Quero dilacerar a veia
que  apedreja meus momentos
de inversão profunda ao amor.
Quero calar o mundo,
gritando sem rumo
que não existe mais paixão

Bebo sobriamente,
para esquecer as lembranças
que ao longe te trazem bem perto de mim

Respiro ofegante,
para que em nenhum instante me sintas
de peito aberto estando então afim .

Ironizo a tua seriedade de frente ao espelho,
para que ali reflitas minha alma em pequeno desespero
Lamento as lágrimas derramadas em pedras lascadas
que brotam no lugar do seu coração
Mas aqui não mais fico,
ao menos que em mim brote o perdão

Passo pela tua porta
da mesma forma que entrei,
Desapercebido e batendo o pé no chão,
para que percebas que daqui,
mesmo que de ali,
eu não sai não .

Quero que beijes minha testa,
segure minha mão
e me guie até dizer chega

Não quero lágrimas nem pudor
Apenas quero palavras
que hoje não mais falam de amor

Sonhe comigo e com os anjos
A carreta parou,
minhas malas levou
e de ti me afastou


De longe um aceno,
para provar que a neblina
nos torna invisíveis
aos olhos e presentes ao coração

Até uma noite,
ou quem sabe dia,
as malas para ali voltem
O sorrir ai incendeie
e eu daqui saio
para não mais daqui te enamorar .

Autor : Cristian Schröder

domingo, 27 de novembro de 2011

Poesia Barata com Sentimento Refinado

A minha alma fica tão sem graça, quando com a sua não se embaça debaixo de um auê .
Meu ouvido que em ti sorri, para que o seu olho em mim foque , como sem ter um porque .
Minhas mãos que em ti somem, dentro de um pano barato, misturando leveza e sedução .
Suas pernas que quando tão fracas, em mim se apoiam para não caírem ao chão .

Meu mundo se tornou colorido, dentro do seu sorriso , aberto de ouvido ao ouvido, no meio dessa multidão .
Te quero não mais ali, para que aqui sejas aqui o que meu coração desejou desde o dia da sua misteriosa aparição.

Me torne especial em seu viver, para que um dia eu te torne essencial em meu respirar.
Tua alma que flameja a paixão de um sonhar, vive ao lado meu tentando me realizar.
Talvez meu mundo não choque com seu cometa, mas deixe com que minha atmosfera em sua cauda possa tocar .

Um dia realizo o pedido que quando pequeno fiz à estrela cadente que por mim uma noite passou.
Por mais que em mim doa, a vida segue-se sem ter porque,ou, muito menos um como tudo começou

Apenas ande em seus paralelepípedos sem cair ao chão .
Apenas ande alinhado, sem desviar seu rumo para um lado que não te pertença.
Apenas seja livre e voe para o brilho do seu sol maior.

Autor : Cristian Schröder

sábado, 12 de novembro de 2011

Em Crise De Algo Além



Deitado em minha cama, vejo minha fraqueza tomando conta do meu coração, que mesmo enrolado em camadas, fica frágil ao lembrar do calor que seu corpo me proporcionava, quando minha incerteza vinha me rondar .
Porque sumiu do meu horizonte como um vento frio na noite de um litoral qualquer ?
Porque abandonou aquele eu te amo, que mesmo hipócrita, me iludia com verdades tão falsas, assim me confortando com um não mais para sempre ?
Porque largastes a minha mão quando mais precisei de você?

Levanto da minha cama e ando em direção ao meu espelho, que ainda manchado com a declaração de amor em batom que fiz para seu coração, onde me faz derramar a última lágrima de algo que nunca queria ter vivido .
Estranho como sua ausência me machuca mais do que suas promessas de um dia me amar e sem mais, me largar.

Hoje minha maquiagem de alguém forte e capaz de seguir vida além de você, se desfaz e mostra a minha incapacidade de viver sem seu olhar para me guiar em dias de chuva, em dias de choros, em dias de ilusões .
Não sei lutar contra a mim mesmo, apenas quero um dia, poder seguir sem olhar para trás, e que quando isso acontecer, seus passos não persigam minhas pegadas no deserto de indiferenças que implantou entre nossos sentimentos, para que ali, me atordoe novamente, fazendo meu espírito errar enquanto meu corpo quer acertar .

Hoje não mais preciso de suas mãos para construir meu semblante pessoal
Hoje não mais necessito de seus pés para caminhar .
Hoje em mim encontrei a paz, que perdida estava até seu olhar se virar contra mim e enxergar além dos meus olhos.

Um dia verás que o mar onde se banhastes noite passada, é aquele mesmo mar que irá te afogar um dia após um qualquer outro. E espero que nesse dia você grite meu nome para te salvar, para que ali, eu possa te mostrar, o quanto cresci e o quanto vivi sem precisar de teu coração .

Autor : Cristian Schröder

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Respeitável Público


Respeitável público! Sejam todos bem vindos à minha nada tola vida!
Onde os trapezistas voam de alma em alma procurando o meu aconchego. Onde os mágicos somem com parte de minhas alegrias levando-as para bem longe, onde nem mesmo eles sabem onde as esconderam .
Onde os palhaços me distraem enquanto roubam de mim o amor que aqui brotou .
Enquanto isso no camarim, a pequena e reprimida bailarina, retoca sua maquiagem para que possas sair em busca do seu amor antes que o domador de leões acabe com a esperança .
Oh não, a ponta da sapatilha quebrou! E no meio do globo da morte a bailarina ficou! Chorando, aflita de emoção, o barulho das lágrimas se mistura com o barulho das rápidas passadas que as motos dão em seu coração!
Fim de espetáculo , voltem sempre, o circo do coração machucado está fixamente aqui instalado, pronto para receber esse público tão cativante e especial , que de tão fiel à nossa casa, sempre torna nos enchendo e esvaziando dia após dia .

Autor : Cristian Schröder

domingo, 9 de outubro de 2011

Amar & Mar


E esse brilho que ilumina minhas veias menino, me retira o chão, voando são, em ti sem acordar, em um profundo e duradouro amar . Beija meus olhos que refletem em alma o mar que nos cerca, para que nademos sem um dia cansar .
Venha, nade comigo, a borda está longe, o mar é conturbado eu sei, mas se agarre em mim, nade de braçada em braçada comigo, me deixe te fazer boiar, me deixe te mostrar as nuvens em forma de coração .
Deixe com que o vento dos meus lábios te guie para perto de mim. Me esquente com sua ânsia de sempre querer a mais, algo além. Deixe-me provar o sabor dos teus lábios tão puros e maliciosos que possuis .
Reme comigo, para que em nosso cais, possamos chegar e atracar, para que ali, possamos nossa âncora jogar .
Te quero sem tubos de ondas eloqüentes que nos separam, te quero como és, te quero como somos.
Deixe-me com a paixão dilacerada por ti. Ela nos move, ela nos une, é ela quem te ama além muito mais além de mim .
De um momento quero te levar para o oito deitado, onde as voltas se cruzam, para que ali possas sempre e para sempre ser meu . "

Autor : Cristian Schröder

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

O que não reconheci de primeira vista


E então conheci o olhar que de longe me tirava o sono, me fazendo crer e sonhar que meu desejo se tornou real .
Em um encontro ao acaso, sua voz mostrou a minha cegueira como é bom ler seu lábios enquanto tua boca recita a mais linda poesia para meu ouvido escutar .
Algumas luas depois de saber que seus olhos existem , meu desejo de ter aquilo que nunca tive, parcialmente se tornou possível .
Desajeitado, meu sorriso tímido, era coberto por seu jeito meigo e singelo de me tratar .
Quero voar a dois conversando com nossa lua tão cheia quanto meu coração de você, enquanto te trago para perto de mim pelo caminho mais simples e direto ao meu peito .
Não sei se as tuas raízes fincadas em minha vida se alastraram por este solo tão irregular que é meu coração, mas sei que o meu céu, está mais completo com você junto a mim .
Sei que já fiz muitos risos teus se transformarem em lágrimas, sei que um dia já sonhou comigo e acordou em um pesadelo . Quero apenas que saibas, que quanto mais te busco, mais encontro o que um dia achei que tivesse encontrado e hoje sei quem em ti pude achar.
Quero voar de asas dadas ao infinito contigo, nesse céu de azul anil de tamanha imensidão . Quero poder provar o além do beijo roubado, que tanto me tirou o sono . Quero poder um dia, sair dos meus desejos e enfim te fazer realmente feliz !
Assim como a Lua encontra com o Mar, em ti quero encontrar tudo aquilo que já sei que possuis !
Te bem quero, muito quero-te bem, apenas em você o bem eu quero ser, e quero que sejas pra mim meu maior bem . !!

Autor : Cristian Schröder

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Quero os seus meus ...

Sua voz soando e tocando meu rosto como a brisa do entardecer, me leva a fechar aos olhos e imaginar seu rosto a olhar fixamente para o horizonte, segurando em coração, a lágrima da saudade .
Posso ser imaturo para admitir que jamais o sol irá cruzar a linha da lua cheia, posso ser cabeça dura em querer relevar o fato, que nunca a lua irá beijar o mar .
Mas um dia tenho a certeza, quem em um eclipse momentâneo, nossos corpos irão se cruzar numa mesma rota, embelezando a nossa distancia esquizofrênica, sorrindo como dois pássaros livres ao voar pelo céu azul que nos pertence .
Quero seus beijos molhados de sabor cereja .
Quero seu cheiro em mim cravado, para que mesmo longe ainda te vejas .
Quero sonhar acordado com a luz do seu olhar .
Quero andar deitado, pelo seu azul mar .
Quero te pedir que não desistas de um sonho que ainda não começou .
Quero que sejas pra mim o que pra você já sou .
Quero que não deixe que a lua se ponha sem te encontrar
Quero que me ame, com a mesma intensidade da luz de um luar .
No meio de tantas vidas, sinto que essa será a minha última . A rotina que cessa ao te ver, e perde na imensidão do que desconheço e que mesmo assim, se mostra tão puro e tão belo para mim .
Quero sorrisos e abraços quando me ver, para que de você, seu calor eu possa reter .
Quero te amar e te adorar, como um dia já quis e nunca puder ter .
Quero assim ser, para te provar, se meu mundo sem você, nada mais se vê . Na escuridão de verso qualquer, encontro você em meio de um verso de Beethoven
- “ O peito está cheio de muitas coisas para dizer-te. Há momentos em que me parece que o idioma não é nada. ” .
Em um único idioma descrevo o sentimento que por ti tenho. Em um único dialeto, levo comigo o sentimento mais doce e sincero de que já provei
Quero a realidade de um sonho instigado por pensamentos, que desprendidos de âncoras me levam a você . Imagino nosso amor como um mar com ondas constantes, de maré mansa. : O seu amor .

Autor : Cristian Schroder

sábado, 17 de setembro de 2011

Um cigarro e Um Monólogo Qualquer


Quando tudo se faz perdido, a saudade pesa em sua frieza, retalhando os panos rasgados de uma alegria já usada .
Costuro em boca a gargalhada comprada em uma vitrine morta qualquer, para ensaiar de frente ao espelho, a fala que irá sair da minha garganta, para te convencer do meu “ Eu Te Amo ” sujo e barato .
Apago meu cigarro no cinzeiro entupido de restos, para por meu sapato comprado com o suor de minhas pernas, minhas tão lindas e grossas pernas, que você gosta de passear e saborear constantemente. Coloco meu melhor vestido, curto como sempre. Incrível como simples mulheres pagam fortunas por um vestido como esse, apenas um pedaço de pano valorizado por uma etiqueta fabricada em um país sub desenvolvido . Depois de três ou quatro pinceladas de maquiagem, escondo o rosto da inocente e falecida garotinha, dando espaço para a mulher que tudo quer conquistar.
Ao sair pelas ruas para ir de encontro a você, meu perfume exala pelo meu pescoço, tomando conta dos lugares por onde me encosto. Não se estranhe se seu filho estiver com um aroma parecido com o meu e com o seu .
No café de sempre, seu carro importado, com um cavalo amarelo como símbolo, para ao meu lado para que eu possa entrar .
Ao sentar no banco de couro desse automóvel tão caro, namoro pelo retrovisor o floricultor que um dia já cuidou do meu jardim com todo carinho e dedicação, regando com sua mangueira a grama que insiste em ser aparada dia após dia .
Enquanto você dirige, faço questão de contar minhas verdades mais dissimuladas que ensaiei durante o dia, para fazer com que sintas pena de uma mulher que apenas quer o que está no seu bolso de trás .
Alguns me chamam de vagabunda, outros de puta ... Seja lá qual for o termo prejorativo que irá me chamar, saiba que não ligo, confio em meu cérebro acima de qualquer outro órgão aqui neste monólogo citado.
Ao chegar no seu flat muquirana, o sorriso de satisfação dá lugar a um semblante de nojo e indiferença . Como alguém com tanto dinheiro, pode morar em um lugarzinho em um bairro comum como este ? .
Bom, o que realmente me interessa, é saciar minha sede de prazer, enquanto dissimulo meus orgasmos múltiplos com seu pequeno brinquedinho que mal sinto entra e sair de mim .
Enquanto soas para tentar me dar prazer, gemo alto para te incentivar enquanto aguardo ansiosamente para o fim de tudo isso .
Depois de longos 45 minutos, me levanto e tomo meu banho, solitária, óbvio; já basta ter me deitado 45 minutos com alguém que nem me fez saber quando o ato começou e terminou .
Ao voltar para o quarto, me componho devagar, e espero a recompensa pelo serviço de encenar dois orgasmos sem precisar mover um músculo . Recebo meu dinheiro e saio pela mesma porta que entrei, quase da mesma maneira, porém, dessa vez, com sete peixinhos a mais no meu aquário .
Recompensa essa ganha por ser a mulher que todos vocês homens desejam ter e nunca tiveram a oportunidade de conhecer.
Recompensa, para dar prazer a um ser deplorável chamado homem, que paga um pedaço de carne como eu, dentro de um vestidinho barato, para satisfazer todas as suas vontades.
Recompensa essa, ganhada por ser mais racional que emocional, deixando mais uma vez, o homem como o idiota enganado .
Chego em casa e me sento de frente ao espelho. Descosturando fio por fio de minha boca, tirando pincelada por pincelada do meu rosto, mostrando quem realmente eu sou. Uma mulher como qualquer outra, que sofre, que ama, que tem problemas e que tem ambição de subir na vida.
Por um acaso do destino, parei em via dupla, dando preferência ao dinheiro rápido e sem esforço, apenas para fingir prazer . Prazer este que não sei mais sentir, que não sei como fazer para sentir.
Prazer este que já acho que perdi .
Agora deito-me na cama, apago seu nome da lista, elimino seu rosto, para amanhã, voltar a costurar uma face de boneca em meu rosto, para enfim, dar prazer a um estranho qualquer.
Boa Noite .

Autor: Cristian Schröder

sábado, 10 de setembro de 2011

Formas de Retrato

O meu jeito de falar das conseqüências inversas do amor pelo verso, talvez seja a forma mais sensata de transparecer o que aconteceu em um tempo verbal não mais aqui conjugado .
Talvez por um telefone as memórias de amizades e prazeres que não sinto mais, venham a tona se uma forma infeliz e duvidosa.
A lembrança do abraço que longe agora está, traz a dor da saudade porém traz contigo, a dor do sofrimento ambíguo que deixou plantado em minha casa .
As mãos dadas que davam centenas de vais e vens a cada caminhada pelo caminho de ouro escurecido, hoje se resume ao desgaste de suas pontas de dedos, para escrever poemas e poesias como um diário psicológico .
Talvez meu coração seja como a moda da alta estação, que vestimos tudo que temos para parecermos lindos a gosto social, porém no fundo do nosso órgão involuntário pulsante, sabemos que estamos destruídos .
Essa é a vida, assim como os bêbês perdem seus dentes de leite ao decorrer de sua infância, nossa alma se desprende de tudo que nos engana e nos faz sofrer .
Queria eu perambular feito nômade pelas cruzadas de minha alma, descobrindo e abrindo caminhos, para que um dia possam nela habitarem sem devastar mata virgem em terreno lixiviador .
Mas a vida é carente de raízes, não podemos dar asas a tudo que esta fincado pela eternidade no solo do nosso querer. Devemos deitar e sonhar com os frutos que um dia caíram da esperança travestida de árvore, com suas folhas balançando com o sopro da ternura, trazendo a segurança para mais perto de nós .

Autor : Cristian Schroder

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Entre Portas e Cortinas


Quero te contar, mesmo que de longe, que as gotas que caem durante a minha chuva, machucam minha pele, manchando eternamente o riso ensolarado de qual me afastei .
Queria ter a prova, que a tarde que nos cai ao abrir a janela, tem a mesma cor nostálgica e mágica daquilo que vivemos um dia além do horizonte de um olhar.
É amar o aroma, sem sentir o cheiro do que está para ser provado . É falar um “ não quero ”, quando se quer dobrado. É saber ser feliz em tristeza acumulada de porém e porque .
Viajo como um barco de papel dentro de uma bacia repleta de água , impulsionado pelo teu sopro e guiado pelos seus círculos rotineiros.
Com um destino previsto e não tão longe do meu olhar, o barco balança como meu corpo em cima da corda bamba que impostes em médio corpo meu .
Talvez pelo vento estar levando as pétalas das rosas que desabrocharam no verão, meu sorriso não tenha se apagado por definitivo . Sei que em cada pétala caída sobre o pasto verde em que deitávamos todos os dias, uma lembrança tua é levada para algum lugar que desconheço .
É por isso que sou como o vento, me disperso desde os terrenos mais pedregosos até aos que são livres de obstáculos, para que todos possam ter a graça de sentir quem realmente sou, independente da intensidade sentida, independente do dano causado, apenas fui e sou eu. Não culpo seu estrabismo psicológico por isso, apenas culpo seu coração por querer mais e mais, quando precisamos apenas de mais dias iguais junto a nós.

Autor : Cristian Schröder

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Quarta Pétala


Em um ato de impulsionar o meu pensar, sinto seu abraço envolvendo minhas costas . Como uma brisa leve no verão que refresca minha pele, seu sorriso abre horizontes que um dia já quis e continuo a querer explorar .
Talvez eu jamais sinta o poder que teus lábios exerçam sobre os meus, talvez eu nunca sinta o forte abraço teu, talvez seu brilho no olhar se volte para a 3º pessoa de um singular alheio a mim .
Pelos auxílios que alavancam minhas tristezas, a sua presença mesmo que longe a mim, se torna algo rotineiro e satisfatório . Pois fazes com a sabedoria de um monge, pois fazes com pretensão de nada receber em troca .
Não sei se isso é algo azul ou algo inconstante, a duvida paira sob minha mente, que insiste em querer achar respostas para questões sem alternativas .
Um dia irei de achar a resposta pra aquilo que queremos em dois, para que um dia eu possa enfim, viver no seu abraço quente de 4 estações .

Autor : Cristian Schröder

sábado, 3 de setembro de 2011

Amarela Rosa


Um pulsar de veias ocorre em meus pulsos . Pulsos estes que um dia sonhei com você os segurando .
O sangue que não mais vejo nem de longe, me deixa com a saudade de um perfume que nunca senti, mesmo sem conhecer a sua origem .
Os brilhos nos olhos estranhos quando passo na rua, não se comparam o brilho do olho teu, que tive assim que comecei a me convencer que algo poderia me levar a você .
Estava enganado .
Por uma exclusão alheia a nós, jogo pela janela as pétalas do boque de rosas amarelas que me destes um minuto antes do dois parar de respirar, para enfim morrer em um .
Posso estar arrependido em ter feito tal ato, posso querer consertar o erro cometido; Mas sei que nada irá reparar o buraco da indiferença que causei em suas reticências ao me falar “ Te adoro ... ’’ .
Saberás um dia que mais puro fui perto de ti, saberei um dia que tudo não passou de engano, saberemos um dia, que as pétalas irão germinar e trazer lindas flores para o próximo carnaval colorido como meu bem te querer .

Autor : Cristian Schröder

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Memória Qualquer

Mais uma primavera se completa e as pétalas se abrem para a luz do sol . Passeando pelo jardim de nome qualquer, sento em meio de rosas, que com seu perfume, me remetem memórias .
Lembro-me muito bem, de quando tudo era claro em céu de cor anil, quando os braços se entrelaçavam dentro de um abraço, quando as bocas se contorciam ao tocar uma na outra, de quando o olhar brilhava ao lembrar de um alguém em especial .
Ao olhar ao céu, vejo o anil em um momento cinzento, acho que o céu vai chorar . Me levanto da grama e sento debaixo de uma árvore .
Vendo os pingos de chuva caírem e perfeita sinfonia, lembro do barulho que fazias quando entrava em minha cabeça em pontas de pés, para não me acordar, mas sempre sentia teu perfume de jasmim e despertava para ver seu sorriso iluminar meu quarto .
É dia de domingo, o relógio bate as 18 horas e a multidão na porta da capelinha começa a se reunir. Paro de frente para o padre e começo a ouvir palavras de uma sabedoria construída por um homem, que nunca vimos, mas que exaltamos e amamos com muita fé e ardor .
Voltando para minha casa, vejo um casal de mãos dadas . O desejo de ter a você perto a mim, toma conta dos meus olhos, que não se guardam em lágrimas, as pondo para fora.
Chorando como um cão perdido de seu dono, ladro pelas ruas tentando farejar o cheiro do qual me perdi . Com minha visão em preto no branco, enxergo apenas tuas pegadas que já um tanto apagadas, vão se dispersando com o passar das esquinas . Paro em um trevo sem folhas, olho para os diversos horizontes e decido enfim, deixar minha vida de memórias de lado, para por os erros cometidos em trilhos sem destino, para que meus sonhos sejam leves o bastante para se manter acima da água e pesado o bastante para se fixar ao solo .
Apenas quero ter e querer aquilo que me apetece, sem jamais ter que fazer uma lágrima alheia se desguardar de tais olhos, assim quem sabe um dia, faço das minhas lágrimas desperdiçadas, alegrias para serem contadas .

Autor: Cristian Schröder

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Dedos Teus Tão Meus


O mundo da muitas voltas, voltas que parecem que são dadas de trás para frente. Um fato passado, nos remete a uma alteração brusca de um sentimento no presente, que após ser pichado na parede branca com teu nome, se faz ausente por tempo que não sei determinar .
Corri dentro de uma roda, murchando aos poucos como pétalas de rosa, até saber onde minhas palavras e meu sorriso poderiam se afagar sem correr risco de caírem em chão argiloso .
Engraçado como reagimos ao saber que dedos conhecidos se entrelaçavam com os teus mesmos antes de saber do seu olhar.
Confesso que errei em julgar de fato palavras e atitudes. Confesso que de fato, errei em ter colocado o impulso em primeiro lugar.
Mas jamais posso deixar de te confessar, que não posso ser raiva alheia em momento de prosperidade, lamento não poder ser o sorriso teu na atualidade . O relógio indica as três, o trem vem te buscar para o sonho tranqüilo . As almas se encontram bailando no saguão dos céus, dançando uma música que não sei décor .
Minha esquizofrenia de rodar e não parar, ataca mais uma vez, mas prefiro ficar a continuar rodar . Meu medo de cair em braços teus, aflige minha garganta que cisma em gritar o teu querer, mas insiste em deixar com que o tempo me mostre quem de fato é você . A tela cristalina pela qual estamos separados, me mostra um eu teu tão pessoal, que sinto medo de querer tocar e desmanchar aquilo que construí de acordo com o tempo .
A vida não é fácil, muito mais difícil ela é, quando gostamos de alguém . O sabor da tua língua, continua estancada em outro alguém, será que devo partilhar desse sabor ? Será que devo te sentir verdadeiramente ?
Não sei, muita coisa me falta para responder, o que mais me falta, é a pitada que vem de dentro de mim, em querer ter você e em deixar você ser quem quiser ser, ao meu lado .
 
Autor: Cristian Schröder

domingo, 21 de agosto de 2011

Céu Da Meia Noite

O relógio bate mostrando que em meia noite, no céu nublado de nuvens de cor branca apagada, as únicas estrelas pelas qual me deixo guiar, são as estrelas que vejo apenas pintadas em teu eu . Um eu tão peculiar, que muito quero roubar o teu e transformá-lo em meu.
Os olhos perdidos que seguem a direção do vento, passeiam pelos mínimos detalhes que compõem meu semblante neutro de emoções . Um riso abre a porta da minha satisfação, acelerando um coração que permanecia estático por um bom tempo .
Sem ter acesso ao teu toque, manejo meu olhar como quem quisesse falar, porém, com medo de agir e não ser correspondido com uma afirmação do teu beijo, permaneço calado em minha aparente insignificância.
Leve como as roupas que vestes, as palavras me levam à um sonhar distante, que se depender de meus passos, voarão como o tempo para enfim chegar ao seu climas sem jamais chegar ao nosso fim .
Posso ser inocente em tua arte do querer, mas sei que posso muita coisa aprender se deixar-me ao teu lado seguir.
Como em histórias sem final escrito, imagino nosso início de felicidade e alegria . Paixão que ronda meu corpo, é a mesma que me matava em prantos no passado, pelo medo de achar uma alma em comum acordo com a minha . Entre, tome um chá, sente-se em minha nossa cama, deite e descanse, tenho espaço para você entre meus travesseiros . Apoio minha cabeça em teu peito entoando um canto lírico, fazendo com que a maré traga teu barco sem rumo e sem vela, de encontro ao meu Cais .
Siga as três estrelas em ti desenhadas, para em mim poder chegar . Siga de encontro a elas, que eu estou aqui, a te esperar .

Autor : Cristian Schröder

domingo, 14 de agosto de 2011

Uma Dedilhada de Saudade



Não entendo seus acordes de desejar uma aparente distância do meu olhar e ao mesmo tempo, venerar algo que está com medo de viver . O Sol do violão, trás o Dó de um sentimento que morre em um Lá Maior e mais distante de mim .
Talvez a distância do “ Si ” se perdeu durante a certeza que tinha dentro de mim . Meus dedos deslizam pelas cordas que teimam em ficar silenciosas, depois de sua voz se tornar distante a mim em poucos arranjos de vida .
Talvez a melodia não esteja completa para que possa ser tocada até o seu final, ou então, você desistiu de escrevê-la para poder recomeçá-la em uma nova pauta branca sem grafites .
A mensagem trazida da voz que acompanhava a tua melodia , jamais foi feita por um acaso. Cantada sem esforços e aparentemente verdadeira, a canção hoje, se faz presente na reserva de canções à espera de serem lidas, esperando por uma grande aprovação .
O Barítono entra no palco e você com seu violão em mãos, teima em dedilhar a melodia de um passado longe de ti, que incomoda os ouvidos de quem está a ouvir a sua contradição .
No caminho de casa, esquecestes que minha casa de situa à sua direita e resolve seguir enfrente, esperando na esperança de me achar na casa de um semelhante .
Infelizmente não posso passar a borracha sobre aquela música que escrevi em papel para ti, mas, posso jogar ao vento, esperando com que ela volte, quem sabe um dia, pronta para ser tocada por sua alma e coração.

Autor : Cristian Schröder

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Uma adaga e dois corações

Olho pelo espelho meu rosto ferido das lágrimas ardentes, que você me fez derramar pelo término de algo, que em ti, jamais teve início . Cortado em sete partes, meu rosto exibe a vértice inexata e incalculável da dor e sofrimento, que arrasto pelas ruas sem ter como e onde me esconder .
De pés descalços, piso nas pedras pontiagudas que a rua me reserva . Olhando para um horizonte sem dois, sigo meu caminho por onde jamais deveria passar, porém, por insistência de minha alma e de suas renegações ao meu coração, se torna a única alternativa plausível para os meus desencantos .
Sentado junto a poeira que ronda meu corpo nu, a chuva começa a cair sobre minhas costas, levando minha culpa de te abandonar infeliz em mim .
Minhas lágrimas, lavam meu medo de te reencontrar e eu por não ter aprendido a me amar, deixar com que suas mãos me levem para de encontro aos mesmo espinhos sujos de sangue, para poder ver seus dentes se abrindo para minha derrota .
Mas não se preocupe em reter sua saliva em tua boca, o próximo cuspe será dado na face do mais novo derrotado, que entre tantas incertezas a única certeza que me pertence, é que esse derrotado, não será mais uma vez eu .
Com o último respirar, sua adaga comandada por suas ironias e falsas acusações, se direciona de encontro ao meu peito. Ao apertá-la contra meu corpo, mais uma vez vejo a cor do meu vermelho sangue . De lágrimas em lágrimas, levanto minha mão para mostrar aquilo que um dia já pertenceu a mim e hoje, estou aqui para te devolver .
Em minha mão direita, carrego o coração seu, que me deu para que um dia pudesse cuidar com carinho e amor . Com a mão estendida, minhas lágrimas foram contidas pelo seu simples olhar de surpresa ao me ver vivo e acima de tudo, tendo aquilo que te move . Surpreso, a dúvida que ronda tua mente, é de que onde estaria meu coração, já que a você não mais pertencia . Mal sabe você, que meu coração deixou de ser seu, desde quando a primeira lágrima de sofrimento se fez presente em minha roupa, quando a causa da minha mutilação, foi você .
Com a adaga dentro do meu peito e seu coração em minha mão, o “ Até que a morte nos separe ” cantado pelo padre no dia de nosso casamento, se fez presente entre nossos não mais presentes amores . Por ironia ou não, vivi e morri cuidando de quem jamais quis me ver viver e morrer pelo seu próprio coração .

Autor : Cristian Schroder

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Nos Imagino ...


De metáforas em metáforas, rastejo por um chão querendo suas pegadas seguir. É tão bobo, eu sei. A forma que eu te chamo, sem jamais um dia ter te olhado no fundo dos seus negros olhos, propõem a antecipação de um sofrimento futuro, que jamais um dia poderá existir.
Seu sorriso, rompe a angústia que ronda meus dedos em procurar por você em dias de saudades. A forma com que recita letras que jamais poderão ser cantadas, encantam meus ouvidos que são tão sensíveis a sua harmonia.
Ah como eu quero cair em seus braços; como eu quero um dia poder abraçar e escrever em seu ombro direito, uma linha de resumo a uma vida de dois .
Quero sentir o mesmo frio e a mesma insegurança que senti quando te vi pela primeira vez . Um dia, quem sabe, chegará minha vez. Um dia talvez, alguém saiba que de longe, que já te amo, sem jamais ter te encontrado .

Autor: Cristian Schröder

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Não se esqueça que ...


Talvez minha metáfase não esteja completa . O desejo de te querer, continua pulsando cada dia mais forte dentro de mim . Miro seu rosto aberto entre risos e choros, a uma tela de distância . Toco seus lábios em planos que monto detalhadamente, para colocá-los em prática ao amanhecer .
A aurora boreal, traz em sua beleza, o perfume de sua roupa que está a se aproximar de mim. A porta entre aberta, espera a sua chegada no recinto que jamais deveria ter saído sem jamais ter residido.
O olhar fechado, revela a pessoa majestosa e tão quão maravilhosa, que se esconde por trás desses olhos. Miro seus retratos, com a mesma intensidade que quero amar a quem está posando dentro dele .
O dia amanhece e lá vou eu, de encontro a alguém que conheço sem mais jamais ter tocado, de encontro a um alguém, que sabe mais de mim, que eu a mim mesmo .
Quero afagar suas lágrimas antes que elas caiam ao chão, quero deitar sobre teu peito e escutar o ritmo acelerado de uma possível paixão . Não deixe com que isso nos escape, o horizonte é tão lindo daqui de dentro . O futuro pertence a nossas ações e porque não, juntar futuros distintos em ações semelhantes ?
Deixe-me provar que o sabor dos meus lábios de encontro com os seus, formam a essência de um querer a mais .
Te adoro do jeito que me amas, te quero do jeito que és . Nada vai mudar o que está, e nada vai passar, sem que eu possa antes, te conquistar .

Autor : Cristian Schröder

sábado, 30 de julho de 2011

Pés no chão



A vida é um criminoso que me arrasta por suas vias asfaltadas de dúvidas, até esfolar meu rosto com as tuas tão escassas verdades. Bom, tão escassas ao menos para mim .
A vida mata a esperança que vive em nossos corações, retirando nossa alegria por uma fita de luz que atravessa a porta que nos separa da sua ilusão que tanto criamos e desejamos .
Nos deixa loucos de tanto querer ser e não poder ter, que em frações de segundos, o nosso castelo se desfaz por um tocar da onda ao alcançar a fortaleza mais forte do meu mundo, o amor .
A vida é tão canalha, que já sabe nosso fim, e põem seu capataz, o destino, no meio de nossas estradas, para termos que escolher entre ir ou vir, para que assim, ela mude o nosso futuro planejado desde o meu berço .
Porque eu sinto tanto medo de olhar para cima e deixar com que minhas lágrimas caiam do meu rosto, sem que a insegurança tome conta do meu rosto ?
Retiro meus sapatos para entender com mais firmeza, se o terreno que piso, é seguro para mim, se é por isso que tenho que passar.
Mesmo incerto de tantas certezas que perdi durante o caminho, sigo sem olhar para trás, sem medo de persistir no erro que cometi em um passado não tão longe do meu presente . Afinal, a vida é isso, errar, acertar, tentar se manter no acerto, porém, olhar para o lado e cair no erro novamente . De nada seriamos se não fossemos eternos errantes em nossa sabedoria .

Autor : Cristian Schröder

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Sonhei Uma Realidade




Quando meus passos se perdem no espaço que habito sem rever e imaginar onde estou, meus olhos encontram sua face voltada para um tudo, um tudo que espero em mim chegar . Seus dedos de tão distantes dos meus, fazem com que sonhe a cada dia que passa, por um acalanto de sua voz, em meu ouvido a sussurrar .
O beijo com que sonho a um tempo, aumenta minha sede de ver seus olhos brilhando ao luar. Luar que deitado sobre teu colo, quero passar a lua sem jamais te deixar escapar.
Não voe alto, deixe com que minha visão, acompanhe sua rota gloriosa de um proletariado comum, assim como eu .
Quero conhecer o calor do seu corpo, o cheiro do seu corpo e fazer aparecer o tão belo sorriso que sonho todos os dias .
A voz rouca, afaga um prazer de passados imperfeitos, criando a esperança de um futuro incerto e sonhador .
Quero despertar em seu peito ouvindo o ritmo do seu coração acelerar, quero seguir em vida junto a ti, para que um dia, você eu possa amar .

Autor : Cristian Schröder

domingo, 24 de julho de 2011

Espaço em não luz


As incertezas rondam o sol de todos os dias. Em um ciclo vicioso de medos, deixamos razões de felicidade para trás, com o motivo de não querer sofrer. Apenas não sabemos, que o sofrer em sua maioria, vem das certezas criadas ilusoriamente.
O chão rachado de otimismo, compõem a estrada de toda uma saudade das coisas que não vivi, pelo simples medo do chorar. Mal sabia eu que o chorar era tão bom . Através do choro, alivio a dor de um nunca mais, o ardor de uma paixão recolhida pelo vento, de uma perda que ganhei, ou até mesmo, uma forma de celebrar a felicidade de simplesmente respirar .
O tempo passa, e a vida nos ensina que ser gelo em verão de litoral árido, é não ser feliz em pleno carnaval. A vida nos mostra, que não existem caminhos que não possam ser mudados.
A trilha que montamos com nossos olhos, podem ser apagadas pelo simples ato de piscar ou preferir seguir pelo lado de lá.
Mão dupla que guia o acaso múltiplo variando de canto em canto, apenas isso que guiará nossos passos em espaços tão concorridos, apenas ele escancara em meu rosto, o querer que jamais imaginei, apenas ele, o destino .

Autor: Cristian Schröder

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Que voe


Cansei de gastar meu lábios assoviando para um certo alguém que se encontra do outro lado da colina, vir me encontrar. O temporal vem chegando ao norte, hora de me recolher .
Dentro de casa, desfaço de minha transparente máscara, que um dia usei para algo tentar achar em torno desse pasto verde.
O sol de pôs, e com ele, a chuva de um inverno qualquer se faz presente .
Passam os dias, as horas, os segundos ... Passam pessoas, quereres, conquistas e desejos. Tudo passa, passa até o que jamais passou, porém jamais te vi de passagem por aqui .
Meu olhar se perde no azul do céu refletido no lago de esperança que fica perto de minha janela . O céu é tão bonito daqui de dentro, pena que tenho medo de seguir a sua imensidão. Medo de seguir suas nuvens e encontrar um nada perdido no vazio . Porque é tão difícil ver o céu e não pensar nos seus olhos que eu nem conheço ? .
Quero beijos com sabor de vermelho pecador; quero suspiros com pedidos de jamais termine; quero suas mãos entrelaçada em meus dedos.
Meu caminho quero cruzar com você ao meu lado, se um dia eu te deixar andar só, tenha certeza que estarei logo atrás, para impedir que um dia você volte a voar com o vento .

Autor: Cristian Schroder

terça-feira, 12 de julho de 2011

Ficarei bem

Não se preocupe, ficarei bem.
O chão continua fixo em meu silêncio, suportando o peso da solidão que me ronda, desde o dia que fugistes com o vento .
Os arranha céus, arranham meu egoísmo de apenas acreditar em meus passos, sem olhar para o lado, querendo desesperadamente te encontrar.
Mas não se lembre de mim, estou bem.
Você pode roubar tudo de minha vida, pode pegar minhas mão e as levar junto ao teu coração, que eu jamais correrei atrás de você para as recuperar.
Por mais que meus pés peçam para correr de encontro ao seu abraço, minha respiração ofega quando penso em você. Sua sombra atormenta meus olhos, que dia após dia, querem ficar cegos de você .
Mas continue andando, irei sobreviver.
A brisa toca meus cabelos, as lágrimas descem sem motivo algum, mesmo quando o choro está contido dentro de uma caixa de vidro, excluindo meu sofrimento da minha vida por inteiro.
Abaixo meus óculos para ver um novo dia nascer para mim, no meio desse luar intenso de sofrimentos a mercê qualquer.
Viva a vida, viva a sua vida, não se preocupe comigo, sei andar com as minhas próprias solas dos pés, sei recordar o dia de ontem, se me arrepender de algo que não fiz .
Não se preocupe, estou bem, ficarei bem, espero que tu sejas seu próprio bem e que sua vida, lhe ocupe a razão de um calar de bocas .

Autor : Cristian Schröder

terça-feira, 5 de julho de 2011

A estação


Posso não ser bom em palavras recitadas, mas o coro que me impulsiona jamais se calará . Em sinfonias quebradas dentre tantas notas musicais, a vida segue fora dos trilhos para quem um dia já a quis pilotar.
Os pássaros voam de contra ao vento, assim como, meu coração bate forte quando esbarro na indecisão. Fechar os olhos e respirar fundo, de nada mais me adiantam, uma vez que minha esperança se perdeu em vida .
Pedaços que restaram ao chão, do que um dia me foi de direito, cobrem o andarilho que meu trem descarrilou. Ferros amassados, pessoas gritando de dor, confusão e um vento frio. É o que me resta ao fim de tudo .
Fim, uma palavra que não existe para um fracassado, pois, assim como os pássaros não desistem de continuar a bater suas asas contra o vento, um perdedor jamais desacredita em um novo amanhecer.
O calor dos raios que me tocam ao nascer do sol, exclui do meu horizonte a neblina que mesmo ingênua em seu existir, me fazia perder a visão para aquilo que um dia quis enxergar e não mais podia .
Já desisti de tudo, sem antes ter tentado alcançar algo. Já enxerguei o claro em escuridão fosca de pessimismo.
Hoje, encontro em um luar, o motivo de rir em prantos passados, para que um dia, a lágrima quente que desce em meu rosto, se transforme esperança, para enfim, poder amanhecer .

Autor: Cristian Schröder

domingo, 3 de julho de 2011

Errar e errar


Um erro de cálculo, um erro de vida, um erro de personalidade, um erro de um erro. Errar é uma característica comum ao ser humano, porém, surreal quando reconhecida ao outro. Existem caminhos que nos levam ao erro por nossa opção, por nosso querer. Essa opção surge como um nada em nossas vidas, onde temos que escolher entre ir e ficar, entre estar e ser, ou então, é palpitavel a escolha que meu ser desejar crer em ser .
Profanos erros que me fazem crescer, são os mesmo erros que angustiam em me fazer permanecer, mesmo sabendo que irei tombar em águas barrentas .
Estranho é reconhecer um erro escrito em carta a pulso, em querer se dividir em dois tempos psicológicos, onde em um piscar de olhos, se tornam cronológicos a mim.
Tinta azul de maré com verdes correntezas, me amarra ao pé de uma cruz sem ter para onde fugir. Um estigma qualquer me prende ao passado presente em minha cabeça, onde quero que meu presente se faça passado, para então fazer com que o futuro presente me faça bem. Mas não posso, pássaros verdes me avisam de uma boa nova vinda de um lugar não tão longe no tempo, que o canto está repartido em dois, onde não existe coadjuvantes em uma lírica duelada por opostos .
Mesmo sabendo disso, porque insisto em querer errar ? Talvez seja pelo fato de sempre saber onde esse caminho vai dar, porém, com o pretexto de um desvio no meio da estrada haver para enfim, poder percorrer outros horizontes que me levem a crer em um acerto final . Final de um erro, início de outro, erro bobo em achar que um erro se acaba em um final, mau sabem eles que é um erro achar que nosso erro acaba com um acerto.
Por isso sigo errando, sofrendo e sendo feliz comigo mesmo. Não há companhia melhor que minhas lágrimas quentes e meus risos frios; não existe acerto após erro, e sim, uma prevenção ao erro levando ao acerto .

Autor : Cristian Schröder

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Acredito em Anjos

Possuo tantos sonhos, que fantasio minha realidade como uma forma de transformá-los reais . Acredito nos anjos que trazem alguma coisa boa para eu admirar, acredito em suas asas abertas que voam para perto da estrada onde me perdi.
Dentro de sua túnica, trazes junto ao peito, uma mão repleta de um vazio rodeada por um nada, com a promessa de suprir a necessidade dos meus sonhos que condeno como impossíveis.
Em um caderno de linhas tortas, escrevo tudo aquilo que a vida me destinou a ser e a ter . As lágrimas que escorrem dos meus olhos, pontilham uma imensidão finita de dores e sofrimentos, que, mesmo que por pouco tempo, transformaram meu riso, em uma estrutura inabalável de tristeza .
A luz que envolve meu querubim tão amado, devolve a alegria que um dia perdi em uma infinita estrada de pedras, devolve o sorriso que dava ao bom dia .
Com um sussurro pelos dentes que lanço a você, as palavras de gentileza tomam conta do teu ouvido, onde confortam a dor de um perder nada e encontrar um vazio. Abra a porta da tua esperança, mostre a capacidade que tens em remover o nada dos teus olhos, pondo no lugar, um sorriso ao teu despertar .

Autor: Cristian Schröder

domingo, 26 de junho de 2011

Abraço vazio





" De braços em abraços, percorro o caminho sem um dia chegar ao fim. Como luz sem brilhar, meu olhos enxergam teus passos como algo que jamais poderei alcançar. Por ironia ou não, minha ofegante respiração continua a aumentar, em todas as vezes que te vejo passar em minha frente sem jamais um oi retornar. Saudades do teu acalanto e do teu aconchego, falta eu sinto do teu abraço e do teu cheiro. Sei que muitos erros cometi, porém sei também, que ao seu lado, eu jamais sofri . "

Autor : Cristian Schroder

domingo, 19 de junho de 2011

Contínua



Me ajeito na solidão contínua e descontente, onde meus erros e incertezas, perseguem minha mente até alcançá-la.
Minha paixão que machucada de tanto ser pisada, corre dentre minhas veias, pulsando sem desafinar, em um ritmo marcado pelos meus passos.
Me aconchego nos espinhos que tenho cravados em solas descalças dos meus pés.
O olhar brilhante de um raio cruzado com minha ira, faz com que acenda a minha tal paixão pelo querer você, todavia, desperta minha ânsia de distância do te querer .
Por saber não resistir ao teu encanto, meu sangue se esquenta em amor, transformando seu cheiro em uma sina seguida por meus extintos.
Seu toque, é como um castigar de pedras arremessadas em minhas costas. Quando sinto o teu perfume exalar, meu peito arde em uma paixão de controle gasto de diretrizes impostas.
Me leve para o vazio do seu braço e me envolva com minha sina. Me afague com seu riso amedrontado, me mostrando o tão quão grande és.
Minha falange pede pelo teu beijo, minhas mãos necessitam dos seus dedos, minha paciência precisa de sua demora, o meu ser precisa de você .

Autor: Cristian Schröder

domingo, 12 de junho de 2011

Minh'alma



Capricorniano de brilho no olhar eterno, faz com que o ar passeie em sua terra finita de glórias e beleza incalculáveis. Senhor da razão e do tempo, enamora-me com a força de um explosivo sorrir verdadeiro.
Sorriso singelo e triunfal mirado por uma tela de distância, me encantou , assim como, uma criança se encanta ao ver um mágico em pleno ato.
Separados por objetivos semelhantes, o querer se torna uma necessidade extrema de corações alheios, onde a única ferida que farás em mim, será prosseguir no teu medo que te impede de viver na sua própria imensidão.
Inseguro de si, porém convicto de certezas, move sua razão pelos caminhos de uma emoção. Caminha em rumo ao perfeito imaginário, encontrado em um simples cutucar de dedos, pelas vias de uma vida repleta de surpresas.
Oh! bem, me quer! Eu quero-te bem, quero-te como meu bem. Meu querubim de asas cor jambo, voa em minha vida trazendo a luz do teu sorriso que afaga minha tristeza qualquer.
Faça de meu peito o teu aconchego de descanso eterno, more em minh’alma, faça do querer você em um ter você.

Autor: Cristian Schröder

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Quando ...


Quando não tive a quem recorrer.
Quando não tive por quem meus olhos chorar.
Quando o um era apenas eu.
Quando eu não sabia o que era um sorriso escondido
Apareceu um anjo de asas quebradas, que caiu em meu peito, trazendo você em braços fechados.

Quando não tinha a quem dizer “ Preciso de você “
Quando não tinha por quem meu coração bater,
Andei pelas ruas
A noite me deixou você no meio da avenida paralisada pelos nossos olhos, fixando um futuro que estávamos vivendo ali mesmo.

Não sei me reerguer do meu silêncio sem você.
Não sei amar a ninguém, apenas a você.
O lençol se tornou pequeno para nós, me cubra com teu amor, com teus beijos ... Que eu, te cubro com minha vida.
Minha vida que para você é mais infinita que meu sonhos

Seu amor que é a prova que sonhos continuam sendo meus sonhos vividos acordados
Seu corpo que me aquece e me faz perder sentidos e noites de amor extremo .
Não sei dançar, me conduza em sua valsa rodeada de amor por nós. Me agarre em seus braços, embale meu sentimento mais oculto de você. Atice o meu teu querer, me ame mais que já nos amamos.
Te amo, amo-te, me ame, ama-me ... Quero você, apenas você e nada a mais que você !

Autor: Cristian Schroder

domingo, 5 de junho de 2011

Em Vida


Brilhando em um vidro translúcido de faces paralelas, miro teu corpo encorajado a seguir a direção do infinito. Ensaiando acordes perfeitos, seus passos seguem em ritmo acelerado, passando pela porta de um adeus ao nunca mais.
Seu relicário com a foto de um passado não muito presente, é jogado no chão pelas tuas mãos de arrancar espinhos de rosas em brutos jardins.
Juramentos como de “te amar e ser só mais um, sem jamais deixar-te passar”, criaram asas de um querubim, e voaram de encontro aos céus, de onde jamais sairão.
Promessa de amor eterno, eterno pseudo de um querer qualquer ... Na vida de uma solidão vazia de tristeza, o branco flamejante dos seus dentes ao me ver, reflete tua alma de forma fosca e imperceptível.
Em uma rotina de intermináveis afazeres, o meu fazer se faz perdido dentro tuas obsessões. A ganância de te ter, renega minha vontade de querer partir sem ter a você perto de mim. Engulo lágrimas frias, que por sua vez, esquentam minha sede de ser feliz. Aquela felicidade comprada por um sorriso falso, aquele mesmo sorriso estampado na foto do teu relicário. Relicário este que deixastes no meu chão, para um dia então, lembrar de você, da forma que nunca fostes para mim.

Autor: Cristian Schröder

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Um Querer

A lentidão da sua tréplica, triplica o desespero dentro de uma veia deslocada. Onde a tua boca afaga o jorrar de tais lágrimas escorridas em meu rosto.
Cancerígeno de raízes desconfiguradas, toma conta do meu corpo, como um parasita sem causar danos.
Tua mão que desliza pelo meu ventre, espalhando o teu perfume, é a mesma mão que subestima os meus tão poucos princípios.
Sendo apenas um incipiente em teu querer, miro teu braço dentro de um abraço vazio, diante de onde o teu sorriso me faz sentir a ingenuidade de se tornar, apenas, mais um eloqüente dilacerado pelos os teus prazeres.
Teu olhar assola meu bem te querer, onde me vejo desapercebido, iludido e recriado. Recriação feita para te satisfazer, apenas para suprir o teu prazer, somente por você.
Por você, troquei quereres alheios por você, andei em terrenos ásperos de pontas miradas ao coração, para em fim ter o toque encantado dos seus cabelos em meu ombro.
Caatinga que ronda meus pés, se transforma em um cerrado gramado, em apenas no teu piscar de olhos.
Isso é apenas o teu querer, somente o teu desejar, nada a mais que um simples sonhar.

Autor: Cristian Schröder

sábado, 28 de maio de 2011

Oriundo


Deitado neste chão de águas em um solo árido em plena uma seca qualquer, minhas lágrimas fazem florescer a flor de uma ilusão apreciada de perto pelos meus sonhos. Escuto vozes que a ventania traz de encontro ao meu ouvido, olho ao redor, não vejo ninguém, a não ser a poeira eterna que me ronda por todos os lados. Levanto-me, caminho a encontro de algo que nem eu mesmo sei onde se encontra. Ando para o lado em que a ventania sopra em meu rosto. Meus olhos mirando o espelho de vapor que se forma em um solo ácido como este, vai se perdendo em miragens criadas pela minha cabeça, tirando o foco de uma vida que a mesma já não cabe em mim.
O sol arremessa em minhas costas raios que rasgam minha alma, me fazendo sangrar por dentro, me cortando em dois grandes pedaços. Me fazendo perguntas sobre algo oriundo qualquer, me levando para um labirinto de várias saídas, onde me perco cego, onde me liberto preso, de onde eu saio mais confuso do que já sei que sou.
Porque é mais fácil de sonhar o real e tentar viver o sonho incabível às minhas mãos ? Porque não jogo minhas ilusões para um canto qualquer, assim como faço com uma bola de papel inútil ? . Simples, pois nossa realidade é a bolinha de papel que amassamos e jogamos fora, é aquilo que rabiscamos com nossos sonhos, preenchemos com nossas expectativas e assim que percebemos que não existe mas linhas para podermos escrever, amassamos e jogamos em um canto qualquer.
Triste saber que me vejo em meio de um deserto de falsas esperanças, lastimável saber, que tinha a quem me agarrar, a quem recorrer, e hoje parto por esse solo sem fim apenas de pés descalços, recorrendo a um horizonte infinito aos meus olhos.
Em linhas de pontos infinitos, construo o desabafo errôneo de uma vida pré construída e inacabada. Em linhas compostas de letras, descrevo um momento difícil de se passar, porém, fácil de cobrir.
Assim que encontrar o verde de tua grama, levarei em minhas solas, aquilo que apenas o solo árido pôde me oferecer, aquilo que apenas os raios do sol em minhas costas me ensinaram ... A expectativa real de uma vida qualquer.

Autor: Cristian Schröder

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Você Em Meu Caminhar


Com caminhos cruzados, encontro suas pegadas sendo apagadas por uma ventania fosca de sentimentos embaralhados. Sinto teu cheiro, miro a cor da sua pele, levanto minha mão para te alcançar. Engraçada é essa sensação estranha de querer ter e não poder ver.
Sigo a estrada de tijolos rabiscados com a aliança alheia que destes sem o alheio merecer. Em cada pedaço da estrada, encontro seus sentimentos jogados ao chão, feridos. Encontrei sua felicidade, chorando por ter sido abandonada por aquele a quem a confiou. Vi seu coração destroçado e cercado por mentiras invasivas.
Sentando em um banco no meio de um nada, atravesso a poeira que te cobre, ajoelho-me aos seus pés e provo que a tinta que escorre de seus olhos, é apenas um porém dentre tantos porquês. Limpo seu rosto e beijo tua macia boca vermelha.
Entre teus braços, vejo o espaço vago que deixaram em seu corpo, me encaixo e me aconchego dentro de ti, como se teu corpo fosse minha moradia.
Deixe-me crer, me deixe te fazer feliz, felicidade minha que se torna sua ao encontrar o brilho do olhar seu. Brilho que ilumina minha alma resplandecendo seu amor em meu coração.
Queime em minha veias como o sangue que pulsa dentro de ti. Me transborde em alegria, me ame, seja quem quero que sejas, sejas aquilo que desacredito, sejas em mim, sejas em nós, deixe-me ser em você, deixe-me amar você.

Autor: Cristian Schröder

domingo, 22 de maio de 2011

Babi


Parece ontem que vi sua imagem estampada em uma ultrasom. Parece ontem que vi o choro de sua mamãe se tornar um sorriso lindo e grandioso de alegria, em te ver e te ter por perto.
Parece ontem que vi você deitada sobre o berço, ninando nos mares de sonhos e fadas encantadas.
Com teus olhos fechados, meu sorriso perdido admira seu repouso.
De joelhos, engatinha para descobrir um novo mundo que a espera, engatinha para o futuro que está rodeando a ti . Aos poucos, sua feição de menina, toma conta do seu rosto e de suas atitudes. Linda criança com ânsia de crescer e se tornar uma mulher. Doce bêbê que encanta a todos por suas ingenuidades e brincadeiras que fazem qualquer sorriso morto reagir a seu encanto e charme.
Criança esta, que é uma das razões do meu viver, razão no meu amar e do meu sorrir.
“ Babi ”, majestosa como vento, constante como o mar, sábia e ágil como um beija-flor ... Beija minha dor, almejo tua alegria como se fosse a razão do brilhar de meus olhos.
Sorriso que contagia meu coração, é o mesmo que me traz a segurança que é você quem amarei acima de tudo.
Mesmo sabendo que não entenderas o que está contido dentre tantas letrinhas e mesmo sabendo que isso pouco irá importar para você por enquanto, quero que saibas que mesmo estando longe de você, o “ Quixá “ aqui te ama. Você é o tesouro mais precioso e o presente mais valioso que sua mamãe e seu papai puderam me dar. Você não sabe o quanto sinto sua falta quando partes para de encontro seu aconchego !! .
É e sempre será minha princesa !! Gabi, obrigado por estar presente em minha vida !! Deus irá iluminar seus passos miúdos sempre. Gabriel, aquele anjinho lindo que está no céu a te proteger, te guiará e te mostrará a luz na escuridão de que é a nossa vida !
Te amo !! Beijos do seu dindo “ Quixá “ .

Autor : Cristian Schröder

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Ser , romântico, ser, platônico, ser ...

Romântico é idolatrar alguém que te ilude com um olhar.
É se perder em um labirinto chamado amor com diversas saídas óbvias.
É se alienar do mundo diante aquilo que julgas perfeito.
É realizar e conquistar coisas que jamais antes teve.
É cortar o coração em dois e deixar com que sangre até transbordar em si.
É estancar o sofrimento com uma raiva .
É fingir estar feliz apenas para abrir o sorriso alheio.
É uma guerra de armas imaginárias com balas miradas e atiradas sem direção.
É ser levado para repousar em um .
É o mesmo que seguir pegadas apagadas em meio uma chuva de diretrizes a serem esquecidas.
É ser idiota em fechar os olhos para o presente, se deixando levar pela fala de um outro qualquer.
É se entregar ;
Se deixar levar ;
É mar, amar, amar e deixar com que o mar te leve tempestade a dentro.
Se ser romântico é ser um bobo da corte estando exposto a qualquer risco banal de um “ Eu te amo“ , me desculpem eu sou um tremendo palhaço em cena dentro de um castelo. Se ser romântico é não pensar e agir pelo pulsar do coração, me desculpem sou ridículo em estar sentindo isso.
Sou cego em me perder em corredores de afins e de algum porém . Sou pesado para sair correndo e deixar isso para trás. Sou quem sempre quis ser de encontro a isso. Esteja onde estiver, esteja em amor, seja amar, faça romance, deixe que a brisa suave das palavras da boca alheia te guie, te leve e te aconchegue onde jamais irá sair .
 
Autor : Cristian Schröder

domingo, 15 de maio de 2011

Sonhos em Jardim

Uma pedra de mistério e querer, a ser lapidada aos poucos. Lascas de um notório porque caem sobre o meu chão repleto de explicação, para o qual fecho meus olhos e ignoro.
Um acordar, um suspiro para uma nova pétala que está se abrindo no jardim de rosas que plantei, esperando você, para sentar no verde tapete comigo.
Talvez um dia saberei porque as asas do anjo que procuro nunca se abrem. Quem sabe um dia, saberei porque não consigo retirar os espinhos das rosas do meu jardim, de dentro do meu coração.
Deixa estar, deixe me levar, quero ser e quero ter.
Abraço verdadeiro, interesse em comum, dois em um, flutuar sobre seu corpo, cair sobre teu colo, andar pelo teu olhar, me perder em seus beijos.
Verdadeiro até onde suas mentiras se tornam cabíveis a sua realidade, falso até onde sua promessa de amor se torna inválida às minhas necessidades.
Promessas, promessas e apenas promessas.
Nada mais consegue medir o tamanho da solidão e a distância imposta dentre dois corpos que não se avistam por conta de suas asas ocultas.
Levante vôo para que possa te enxergar.
Cantarole em meu ouvido, me faça crer na sua íris. Me carregue em seus braços e me faça acreditar que o meu ilusório se torna mais que real ao seu lado !
Te amo e te quero, mesmo sem saber quem és, apenas de saber que é você quem quero, mesmo sem saber suas várias faces, é você quem amo, é você quem quero.

Autor : Cristian Schröder

sábado, 7 de maio de 2011

Maria Nair Arnecke Schröder


O farol de suas palavras abre o mar de ilusões que criei em minha mente.
O saber de sua vida, clareia a inexperiência de minha rotina.
O seu abraço, me acolhe no momento da queda.
Teu choro, me corta em dois.
Seu sorriso, multiplica sua alegria entre nós.
Seu amor, é mais que necessário para viver.
Tuas mãos, são mais que essenciais para me guiar.
Seu coração machucado de perder, me guia para vencer.
Faço do seu choro do passado um motivo para você sorrir no futuro.
Te amo mais que a imensidão do abraço que quero te dar.
Te venero como minha deusa inspiradora.
Amazona com armadura de tecido e com um punhal de madeira em mãos, é sim que te vejo.
Apesar de ser classificada como sexo frágil,
Vejo em sua fragilidade, a força que usou para ser quem és.
Minha diva, minha vida, meu eterno amor.
Mesmo quando seu sorriso se apagar,
Terei em mente, quem sempre lutou por mim
Quem sempre me amou
Quem me castigou quando estava errado, para que quando homem, eu seja um cidadão de bem.
Mãe, obrigado por existir, o que sinto por você não é apenas mais um clichê de qualquer outro texto, ou algo do tipo. É algo que eu jamais consegui falar e muito menos demonstrar. Não tem palavras e muito menos presente nesse mundo, que consiga descrever tamanha admiração que tenho por você !
Espero que quando ler esse texto que fiz para você, se lembre de cada momento que passamos juntos, desde as alegrias até as tristezas. Dos momentos difíceis até os momentos fáceis. Pois foram neles, que descobri em você a força do meu viver.
Te amo Maria Nair Arnecke Schröder, o grande amor de minha vida !
 
Autor: Cristian Schröder

sábado, 30 de abril de 2011

Tormento da mão alheia



A cama se torna pequena para dois corpos dividirem o mesmo espaço. Seu suor escorrega pelo meu ombro, em um movimento retilíneo uniforme. Sobre meu peito fantasias tomam conta de sua cabeça, me levando para onde jamais estive.
Reviro meus olhos em um símbolo de prazer inestimável, deixando meu luxo de lado, embarcando em seu corpo, sendo guiado por suas mãos e sua língua .
Não controlo meus extintos, deixo-me levar por aquilo que julgo desconhecido porém sei melhor que ninguém onde irá acabar. O toque de suas mãos, me arrepia e me retira do chão, fazendo levitar para cima de você .
Em movimentos repetitivos, mostro todo o poder que posso exercer sobre seu corpo. Algemados em dois corpos, unidos por um órgão.
É tudo tão mágico, tudo tão instigante. Sua boca passeia por meu corpo, estacionando em um leito escondido de mutua fragilidade e prazer, me fazendo entoar cantos de delírios .
Aumentando minha respiração aos poucos, conseguistes arrancar de dentro de mim, o que quis desde o início.
Com roupas no chão e nossos vestígios de uma noite de amor estampados em nossos corpos, o suor e o cansaço tomam conta de nosso físico e a vontade de prosseguir instiga nossas almas.
Após um banho, apenas a lembrança, para assim, recordar o toque de suas mãos , com as minhas.

Autor: Cristian Schröder

domingo, 24 de abril de 2011

Valsa de dois pés

Encantamento desdobrado em especulações. Olhares que se perdem na direção de um caminho, que mesmo longo, haverá de chegar.
Como um filme que pausa em 3 minutos, seu olhar penetra em minha alma, bailando em ritmo de ninar. Teu pulsar, entoa um canto lírico, sereno e misterioso. Canto que fascina por conduzir as mãos do maestro que me torno diante teu corpo.

Suspiro que me faz escutar a voz da involuntariedade contida em seu coração, é o mesmo suspiro, que faz com que me entregue em teus braços.
Repouse em meu jardim de inverno, floresça o sorriso do seu rosto, derreta o gelo do meu chão, caia em mim para repousar em você.
O cisne que dança pelos nossos corpos entrelaçados, une dois céus de constelações vermelhas entre nossos dentes. Faz com que meu paladar se perca diante tanta majestosidade.
Olhar incerto, revela a insegurança contida em sua mente. Pulsar acelerado, escancara o querer perdido diante seu ser.
Não tenhas medo, se aproxime de minhas mãos, segure em meus dedos, confie em meu pés calejados de andar em terrenos argilosos e ásperos. Deixe-me conduzir a valsa deste soneto construído por um nós que ainda é inexistente. Sejas primavera em meu outono, sejas eu em você.

Autor: Cristian Schröder

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Vagaroso

Vagarosas são as gotas de chuva, que tomam meu corpo aos poucos. Aos poucos, meus passos se tornam cada vez mais pequenos, pequenos como o céu escuro de uma manhã de outono.
Hora de se apressar, vem chegando a nuvem trazendo o vento frio da realidade, destruindo minha torre de sonhos construídos em uma base de ilusão.
Caio perante teus pés, termino em sua simplicidade e começo em sua vaidade.
Corro para a casa de onde jamais deveria ter saído. Lanças de pontas avermelhadas, indicam o olhar entrelaçado de sua inveja com a sua hipocrisia.
Sigo a luz do seu ego, na esperança de encontrar aquele que imperou em meu castelo, reinando com a sua coroa em meu pulsar involuntário. Esqueça o que o vento levou pra longe, segure a corda, irei te reerguer. Seja o último de muitos, seja aquilo que completa meu lacrimejar diante o mundo de essências que tenho.
Deixe ser, deixe estar, deixe criar, deixe-se amar, deixe-me te levar, deite-se aqui, abraça-me por aqui, me ame sem precedentes, me beije sem medo, suspire em meu ouvido, segure minha mão, não me soltes, me prometa , me queira, seja quem eu queira que sejas, me embale , me carregue e por mais impossível que seja , não me abandone jamais .

Autor: Cristian Schröder